Ecocampus: a ideia base

Criar oportunidades empreendedoras e atrair talento empresarial que ajude a criar empregos e a gerar valor económico é uma das missões mais importantes de qualquer responsável regional. Agarrar no melhor que Torres Vedras possui e desenvolve e transformar este conceito num pilar de transformação económica para a Economia Verde é a ideia base deste EcoCampus. Em suma, o Municipio de Torres Vedras está apostado em constituir a primeira e a mais ambiciosa Plataforma de Empreendedorismo para a Economia Verde 4.0 nacional no seu território.

Parte da solução do futuro crescimento do emprego no Concelho de Torres Vedras só será possível com níveis mais elevados de auto-suficiência empreendedora a partir da motivação, meios de financiamento e competências para lançar um novo negócio. Nesta Plataforma o foco total irá para as empresas ligadas diretamente ou indiretamente à denominada Economia Verde.

A incubação de empresas na Economia Verde terá um papel muito importante no futuro do ecossistema empreendedor português. Isso irá traduzir-se em vários benefícios:

Fomentar o Empreendedorismo Verde é semear o futuro das próximas gerações. Alguns dos Fundos de Investimento que mais crescem estão ligados precisamente à Economia Verde e é importante captar essa realidade para a Zona Oeste e para Torres Vedras.

A Missão

A Missão principal desta iniciativa será criar a primeira Plataforma Internacional de Incubação Empreendedora para a Economia Verde 4.0 em Portugal, com a intervenção e apoio diretos de reconhecidas universidades e pólos de conhecimento nacionais e internacionais.

A Economia Verde e a Economia Circular, dois dos grandes conceitos atuais de crescimento empresarial e social no mundo, estão interligadas e fazem parte das apostas vitais para criação de novas estratégias de empreendedorismo e geração de valor acrescentado onde Torres Vedras e a Zona Oeste estão profundamente apostadas em fazer a diferença.

Já não se trata de uma opção, trata-se de capitalizar de forma estratégica toda uma condução de política económica e empresarial que, aliada à recuperação e valorização do património histórico de Torres Vedras, pode contribuir para a criação de uma nova dinâmica empreendedora em torno dos valores históricos da região. A convicção de que aliar tecnologia avançada e internacionalização com sustentabilidade e empreendedorismo, tudo sob um projeto unificador com enorme potencial de juntar o melhor do talento nacional, é uma iniciativa que Torres Vedras quer agarrar com muita garra e determinação.

Existe hoje uma visão internacional forte sobre crescimento verde e economia sustentável. Há hoje uma maior clarificação sobre as medidas da economia verde e sobre a forma como se integram nas prioridades nacionais e objetivos relacionados com o crescimento verde, nomeadamente o Empreendedorismo. Existe hoje maior experiência no desenho, na implementação e na revisão dos custos e benefícios das políticas de economia verde.

A implementação do conceito de economia verde enfrenta ainda inúmeros desafios mas muito tem sido feito para tornar o tema mais claro e mais conhecido por parte dos Governos e das empresas. Um esforço protagonizado pelos diferentes departamentos das Nações Unidas, através de publicações recentes sobre economia verde ou crescimento verde, tem estado na origem de importantes empresas mas também se consolidaram através do surgimento de estratégias nacionais que tem sido implementadas, tanto em países desenvolvidos, como em vias de desenvolvimento. Torres Vedras pretende ser, com o EcoCampus, um Case Study de excelência no contexto da União Europeia.

Estas novas práticas de empreendedorismo sustentável servem de exemplo e tornam mais claro os efeitos das medidas no âmbito de políticas de economia verde, a sua interação com vários setores e prioridades nacionais, as barreiras institucionais que enfrentam, os riscos e custos de implementação. A experiência internacional servirá para tranquilizar as preocupações na integração efetiva de políticas de economia verde, integrando prioridades e objetivos económicos e sociais, incluindo a obtenção de um acordo internacional com objetivos de desenvolvimento sustentável.

O propósito estratégico

Com os compromissos globais recentemente aprovados na Cimeira de Paris em 2015 ficou claro que chegou a altura para uma mudança fundamental no panorama empresarial, e essa mudança compete a cada um de nós. Passa por cada nova empresa que se cria e é importante que exista um novo movimento empreendedor que incorpore precisamente esse espírito e esse compromisso.

Para proteger o clima e garantir o limite de 2 graus de aquecimento previstos na referida Cimeira, para além de toda a economia e oportunidades económicas que se estão a criar, é necessária a visão de todos os empreendedores. Está previsto que, a partir de 2020, sejam disponibilizados anualmente 100 mil milhões de dólares aos países mais pobres para o seu processo de adaptação às alterações climáticas.

A Alemanha, por exemplo, vai aumentar para o dobro a sua contribuição de verbas públicas para este fundo. Para um avanço decisivo no combate às alterações climáticas é indispensável um acordo comum e vinculativo entre toda a comunidade empreendedora, que clarifique objetivos e diretivas comuns, incentivando um maior empenho de todas as unidades empresariais.

Esta plataforma Empreendedora para a Economia Verde vai ser muito importante em Portugal ao estabelecer um novo compromisso: o Compromisso para o Empreendedorismo Verde (CEV). O CEV é um ponto de partida para a seleção e criação de empresas e start-ups com o espírito da Economia verde, que terá que refletir o que queremos para futuro da zona Oeste. Para que se torne num desígnio empreendedor, há que enriquecer o quadro empresarial nacional, e em particular da Zona Oeste Concelho de Torres Vedras, com o contributo de empreendedores que tenham consciência da riqueza fundamental que existe no Green Design e nas denominadas Green Corporations, onde economia e ambiente podem crescer de mãos dadas.

Assim, pensar o Crescimento Verde e a Plataforma para a Economia Verde é um ato de criação de valor social, que deve mobilizar empresas e governantes num objetivo comum: criar a base empeendedora que valorize e crie valor económico para gerações vindouras a par da necessária qualidade de vida, proveniente de uma economia que protege o meio ambiente e ao mesmo tempo consegue ser competitiva, estável e próspera.

Para tal, é necessário tirar partido dos nossos recursos naturais, das infraestruturas e dos nossos talentos e fomentar a capacidade de ligar a investigação, o desenvolvimento e a inovação ao tecido produtivo, aos produtos, aos serviços e aos processos, e ainda aos mecanismos de financiamento existentes. Potenciar o melhor da Economia Verde no território de Torres Vedras é o Posicionamento Estratégico que queremos com o EcoCampus, uma iniciativa que vai definir um novo mapa de competência e talentos para Portugal.

As Plataformas Empresariais de Incubação e Empreendedorismo

O desenvolvimento do empreendedorismo, a modernização e melhoria de condições na área empresarial e a difusão de conhecimento na área das ciências empresariais, em ordem a apoiar a comunidade, as empresas e os empresários, na resposta aos desafios da sociedade contemporânea, são objetivos de interesse geral e de grande relevância social.

O enquadramento empresarial da Zona Oeste e todas as suas empresas de referência será um incentivo para a dinamização de um conjunto de entidades start-up que irá reestruturar a base de sustentabilidade futura do país ao nível corporativo.

A Camara Municipal de Torres Vedras tem feito e quer continuar a fazer uma aposta estratégica neste domínio, sendo que hoje em dia os domínios de especialização são muito importantes para o sucesso da vertente empresarial. Nesta área claramente o domínio da Economia Verde é a aposta fundamental para o futuro do valor nacional. Torres Vedras tem valor acrescentado neste domínio e irá criar condições privilegiadas para que surjam mais e melhores empresas que se especializem na Economia Verde.

Nesta medida, entende-se fundamental um trabalho prévio, consubstanciado nas bases do presente documento, que se refere à inventariação, estruturação, e seleção de novas entidades empresariais e start-ups através de um exercício de benchmark, identificando potenciais parceiros institucionais, empresariais e financeiros, bem como estruturando diferentes linhas e modalidades de acesso e disponibilidade de know-how a distintos segmentos empreendedores na Economia Verde.

Cada empresa a ser desenvolvida na Plataforma deverá ter características de sustentabilidade e desenvolvimento ambiental que as tornem únicas e específicas para esta unidade de Desenvolvimento Empresarial.

Conferência de apresentação do Ecocampus

29 de junho às 9h30 no Dolce CampoReal Lisboa. Programa no site da Câmara Municipal de Torres Vedras.